Lugar de mulher é… No topo das montanhas

564

Por Maximo Kausch

Mulheres não sofrem apenas quando ouvem coisas ao passar na frente de uma construção. Guio clientes em expedições o ano todo e noto um grande boom de mulheres que estão indo para a montanha. Também não posso deixar de notar as dificuldades que elas passam em altitudes. Mesmo se tratando de um ogro como eu, tenho várias recomendações para vocês que querem enfrentar grandes montanhas e deixar os homens em casa jogando Xbox.

Antes de assustá-los com as adversidades que vão enfrentar lá em cima, tenho que falar um pouco sobre as vantagens em ser mulher! Sim, isso mesmo. Guio há tempo suficiente para notar que, quando se trata de iniciantes, mulheres têm mais facilidade para ficar completamente indiferente diante do perigo. Existe uma certa resistência, porém, acho as mulheres muito mais duronas do que os homens na hora de lidar com o caos.


NAS ALTURAS: Uma das clientes de Maximo durante escalada no Huayna Potosí, na Bolívia (Foto: Paula Kapp)

Sem querer generalizar — mas já generalizando — mulheres, por outro lado, são muito mais resolvidas do que homens na hora de explicar para elas mesmas porque estão na montanha. Homens, no geral, sempre têm algo para provar e sempre vão à montanha com uma pequena missão. Ir para a montanha com o compromisso de provar que você consegue chegar ao cume é na verdade algo totalmente negativo e, provavelmente, fará com que você desista. Neste caso, as mulheres levam novamente vantagem.

Agora que capturei a sua atenção falando da parte boa, é hora da parte chata. A primeira dificuldade que a mulher vai ter em lugares extremamente frios vai ser urinar. Certamente! Homens são dotados de um equipamento que permite a pontaria — mas acredite, quando se faz muito frio, as coisas não são muito diferentes. A dificuldade na pontaria infelizmente obriga que a mulher saia da barraca e se exponha ao frio extremo. Tenho dezenas de anedotas de clientes que tiveram que passar por muitas dificuldades para deixar a neve amarela.


SELFIE: Clientes de Maximo são só sorrisos durante escalada (Foto: Paula Kapp)

Neste ano, finalmente acabei com esse problema e consegui um pequeno “funil” que dou de brinde às minhas clientes que, assim, não passam mais por esse sofrimento todo. O “funil feminino” consiste em um acessório plástico que é ergonômico e reutilizável. Ele permite que elas urinem de pé! Desse modo, todo mundo agora pode usar garrafas, e não é mais preciso sair da barraca.

Outro obstáculo surge no período menstrual. Grandes mudanças de rotina, como alteração da dieta, excesso de exercícios ou stress psicológico, podem afetar o ciclo menstrual. Como o alpinismo envolve todas essas variáveis, você, mulher, certamente terá algum tipo de atraso ou adianto no período. Há aquelas que reclamam de grandes mudanças na intensidade do período, e têm mais sangramento ou mais dor quando estão na alta altitude. Contudo, isso parece estar mais ligado ao esforço e a mudança de rotina do que propriamente à altitude.


DESAFIO: As clientes aprendem a escalar no gelo (Foto: Paula Kapp)

Para grandes expedições em grandes altitudes, recomendo e apoio o uso de anticoncepcionais. Isso para evitar o período e passar menos perrengues dos que os naturalmente exigidos pela altitude. Porém, seja por motivos éticos ou por receio à mudanças na fertilidade, existe uma grande resitência aos anticoncepcionais. Seja como for, já vi dezenas de mulheres corajosas desistirem de um cume por estarem naqueles dias.

Portanto parem de “mi-mi-mi”. Vocês só precisam de um funil e algumas pílulas anticoncepcionais para deixar os homens em casa!

Maximo Kausch é alpinista e guia de montanha. Nascido na Argentina, mas criado no Brasil, já escalou montanhas míticas, como o Cho Oyu (8.201metros, no Tibete), o Ama Dablam (6.815 metros, no Nepal), o Lhotse (8.516 metros, no Nepal) e o Gasherbrum II (8.035 metros, no Paquistão). É um dos criadores do site Alta Montanha (altamontanha.com) e da agência Gente de Montanha (gentedemontanha.com). Também colabora ocasionalmente com o site e a revista Go Outside.

COMPARTILHAR